Pesquisar neste blog e nos da lista

segunda-feira, julho 05, 2010

Estamos fazendo direito?

mont

 

Celebridades, celebridades-nescafé e políticos prendem-se na máxima – sabe-se lá quem criou essa – que não existe propaganda ruim, a forma mais moderna do “falem bem ou mal, mas falem de mim”, do José Roberto, lá nos tempos da Jovem Guarda.

Calma, não lembrei do José Roberto, apenas lembrei vagamente da música e fui pesquisar no Google, o pai dos burros do século 21.

Voltando à propaganda.

Pois bem, com as redes sociais e mais computadores ligados à internet do que rádios a pilha nas casas brasileiras, e em época eleitoral, propaganda de candidatos é capim. Eu mesmo tenho cerca de 900 “seguidores” (acho isso uma coisinha mesmo pedante, como se o tuiteiro fosse um messias que arregimenta “ovelhas” atrás de seu cajado. No bom sentido), dos quais uns 50% são serristas e/ou anti-lulistas, portanto, anti-petistas e anti-dilmistas. Ficamos nós os dias e as noites inteiros elogiando Serra, enaltecendo o PSDB, aclamando os avanços político-sociais-econômicos dos anos de FHC à frente dessa bagaça, ao mesmo tempo não poupamos energia para enumerar, menosprezar, divulgar, denunciar e sacanear com as ratadas do idolozinho sapudo de barba e seus fiéis seguidores, mormente seu poste de peruca, plástica e ortodontista.

Tá, não vou ficar perdendo meu tempo falando da aparência física da Dilma, acho isso contraproducente, preconceituosamente gratuito e sem sentido, uma vez que Serra também não é nenhum modelo de beleza. Feio mesmo é currículo dela que fica ainda mais feio se comparado com o dele. Mas para isso também os petistas inventaram maquiagem e plástica, como fizeram com o doutorado dela e o do Mercadante. Historiazinha mais que batida que não vale a pena repetir.

A propaganda do Serra e a contra propaganda da Dilma que eu e meus 50% de seguidores, além dos seguidores de cada um desses seguidores, fazemos no Twitter só têm a função de contarmos uma ou outra novidade que alguém deixou de conhecer anteriormente e fortalecermos nossas convicções. Se não ideológicas, pelo menos de voto.

Confesso que não tenho em Serra meu candidato ideal, ele apenas está um pouco mais à direita da Dilma e vem de uma linhagem mais nobre de políticos, a dos competentes, que demonstram real interesse nas melhorias sociais e econômicas do todo da população, ao contrário do que demonstrou esse governo petista que, por sete anos e meio, governou apenas para satisfazer os interesses financeiros e ideológico de seus pares.

Muito mais que tucano ou serrista, sou anti-petista, anti-lulista e anti-dilmista.

O que tem me deixado encafifado é se essa troca de informações, divulgações dos bons propósitos serristas e das bobagens criminosas de Dilma e amiguinhos terão algum peso na futura eleição. Nós, os opositores, que a turma de lá chama de golpistas, usamos da mesma argumentação que usamos entre nossos iguais do lado de fora da porta? Argumentamos com o motorista de taxi, com a amiguinha do cabeleireiro, com o amigo de copo, com os colegas de trabalho? Identificamos à nossa volta os indecisos ou os esquerdistas não convictos e tentamos trazê-los para o “lado claro” da força?

Desperdiçamos nosso potencial de propagandistas ou estamos investindo nossa saliva, tempo e poder de argumentação com quem precisa mais de nossa argumentação?

©Marcos Pontes

4 comentários:

Bea - Compulsão Diária disse...

parlando , parlando ci va lontano. Mas, vc esqueceu que tem em mim uma seguidora contra Serra, Marina e Dilma.
Sou contra essa gangue esquerdopata. eles ~sao mais iguais do que sonham as pequenas diferenças.

Souquemsou disse...

Maropomo,

é isto aí!
Se nós da oposição não formos pra rua, enquanto militancia, perderemos novamente.

Abraços

denise disse...

Pode acreditar que faço campanha anti-lula, anti-pt e principalmente anti-Dilma. Fico o dia todo falando das barbaridades que só no twitter ficamos sabendo imediatamente. Imprimo seus artigos, do Reinaldo e toda e qualquer coisa que mostre a verdadeira face do PT e colo na parede onde meus colegas e eu paramos pra assinar o ponto. Se bem que não é "ecologicamente correto" mas nessa altura do campeonato, pouco importa. Tenho certeza que não me agüentam mais, mas to firme nessa jornada, pode acreditar! Até

Fábio Mayer disse...

O que penso sobre esse assunto é que existe radicalismo e torcida futebolística dos dois lados.

Não acho que Serra seja o monstro neoliberal pintado pelos petistas, nem que Dilma seja a candidata a ditadora pintada pelos tucanos.

Serra foi um bom governador de São Paulo, aliando políticas sociais, obras e medidas fiscais inteligentes. Mesmo assim, sempre no ideário dito esquerdista. Não é neoliberal, como FHC não era, como Lula não é.

E DIlma? Bem, se alguém no PT poderia ser ditador de alguma coisa seria apenas e tão somente Lula, mas ele não brincou com o assunto do terceiro mandato e não fez nada para se perpetuar no poder. Dilma tem lá seus defeitos, mas duvido que ela queira ou mesmo que tenha força política para impor a bolivarianização do país.