Pesquisar neste blog e nos da lista

quinta-feira, julho 22, 2010

Lula X Rondon

verde

 

Uma das características mais marcantes e mais sub-reptícias do atual governo, foi a desagregação social, territorial e classista nacional. Contrariando a obrigação primordial de qualquer governo, a de defender, promover e fortalecer a unidade nacional, Lula e seus assessores (também os chefes) não perderam qualquer oportunidade de impulsionar a separação.

O lema de Cândido Rondon, em suas incursões pela Amazônia, época de aproximação da cultura “branca” com os indígenas embrenhadas no “inferno verde”, era “integrar para não entregar”. Sabia o Marechal Rondon que a reunião de todos os brasileiros em torno de mesmos objetivos de crescimento, ordem e progresso, era essencial para o desenvolvimento nacional; se houvesse um rompimento da unidade, abertas estariam as portas para que ideologias, interesses comerciais, extrativistas ou, simplesmente, ocupacionais estratégicos militares de nações mais poderosas nos invadissem, principalmente a Amazônia desprotegida, e dividissem o Brasil.

Lula andou no sentido contrário. Pregou a dissociação para apoderar-se do todo, para amealhar os cacos com discursos diferentes para públicos diferentes e pintando-se de herói de cada agrupamento diferente.

Não é difícil lembrar de seu apoio à então ministra Matilde Ribeiro justificando a violência de um preto contra um branco como justiça histórica, por outro lado, um branco agredir um negro seria crime. O próprio Lula, antes de perceber que a elite do país é quem o comanda e ele é o comandante máximo da nação, embora por trás dele há comando mais forte, pregava a insurgência dos pobres contra os ricos num tal resgate histórico.

“Esquecendo-se” – quando ele não ignora, esquece-se do que não lhe interessa lembrar – que foi em São Paulo que tornou-se ídolo nacional do rebutalho vermelho, defendia uma revolta do resto do país contra os acadêmicos paulistas, culpados, segundo ele, pelos nossos 500 anos de servidão.

Para a “alegria” dos pais de jovens em idade escolar, gaba-se de não ter estudo e ser mais esperto que um sociólogo da estatura de FHC, fazendo-se de exemplo a ser seguido. Através de esmolas sociais, diz aos mais pobres, justamente quem recebe seu cabresto, que a escolaridade é inútil. Para pouca escolaridade existe a aprovação continuada que não permite que qualquer estudante de escola pública seja reprovado, mesmo que só vá à escola pra lanchar de graça.

São inúmeros os discursos, exemplos, atos e frases do presidente em que fica evidente sua intenção de fragmentar a unidade nacional para promover-se como o sabidão que juntou os cacos. Ele é analfabeto, mas, reconheço, muito esperto, na pior acepção do termo.

Mais uma vez ele, por meio de seu partidozinho de criação e seus miquinhos vermelhos amestrados, prega a divisão, o confronto entre brasileiros.

A oposição propõe que todos os brasileiros contrários à política desonesta do PT se vista de verde e amarelo nos dias 13 de agosto e 13 de setembro. Atitude legítima como foi a da imprensa nos tempos de Collor insuflando os estudantes a pintarem a cara de verde-amarelo.

O partido de Lula, numa atitude bem chavista, a cara do Foro de São Paulo, contra ataca e propões que todos vistam vermelho. O PSDB propõe o protesto, o PT propõe o confronto.

Resta a esperança que ocorra com o PT o que ocorreu com o mesmo Collor que, para enfrentar os cara-pintadas, pediu que todos saíssem de verde e amarelo para apoiá-lo e a população vestiu-se de preto. Eu, inclusive.

Como brasileiro é um bicho torcedor, que torce por política com a paixão com que torce por seu time, se esse confronto vier a dar merda, o PT far-se-á de coitadinho e culpará a oposição de provocar. Escrevam o que digo e rezemos para que tal confronto não ocorra, que seja apenas divagação minha. Mas rezemos forte.

©Marcos Pontes

2 comentários:

Bluesette disse...

Essa foi a tônica mais nefasta do desgoverno LL. Nem falo na roubalheira, afrontas à legislação e outras canalhices tenebrosas do inepto que nos preside, posto que um dia isso passa. O que pode ter brotado, só se saberá no futuro, é a semente da discórdia, essa, irremediável, se acontecer.

Bea - Compulsão Diária disse...

Exato . Dividir pra entregar o país nas mãos sujas de ideologia revolucionária.
Jamais integrar. Relativizar tudo. Jogar com a linguagem para manipular. Chamar pra briga, guerrilha e não diálogo democrático. Partem pro ataque com a faca nos dentes de um voluntarismo tacanho que até pode agradar grupos (eles - petistas - preferem a palavras - massas - a que tenho horror pq remete ao intuito de dissolver as faculdades mentais, as crenças e os valores. Massa é mais fácil para esmagar.
Dia 13 é dia de mostrarmos a esse bando de aloprados que dia 13 é o dia da falta de sorte deles. O Brasil não é vermelho. Graças a Deus ainda é verde e amarelo, azul e branco. Beleza de bandeira. Com ordem e progresso se possível.