Pesquisar neste blog e nos da lista

quarta-feira, agosto 31, 2005

Trufou com a siligristida pela paracéia da resenha


O Casamento dos Pequenos Burgueses

Ele faz o noivo correto e ela faz que quase desmaia. Vão viver sob o mesmo teto até que a casa caia.

Ele é o empregado discreto. Ela engoma seu colarinho. Vão viver sob o mesmo teto até explodir o ninho.

Ele faz o macho irrequieto e ela faz crianças de monte. Vão viver sob o mesmo teto até secar a fonte.

Ele é o funcionário completo e ela aprende a fazer suspiros. Vão viver sob o mesmo teto até trocarem tiros.

Ele tem um caso secreto, ela diz que não sai dos trilhos. Vão viver sob o mesmo teto até casarem os filhos.

Ele fala de cianureto e ela sonha com formicida. Vão viver sob o mesmo teto até que alguém decida.

Ele tem um velho projeto, ela tem um monte de estrias. Vão viver sob o mesmo teto até o fim dos dias.

Ele, às vezes, cede um afeto, ela só se despe no escuro. Vão viver sob o mesmo teto até um breve futuro.

Ela esquenta a papa do neto e ele quase que fez fortuna. Vão viver sob o mesmo teto até que a morte os una.




Esse é um post em duas etapas. hoje vocês comentam. Amanhã eu explico.




O Poetrando está atualizado, mas as pessoas estão reclamando que o Weblogger está dando pau. Se tiverem paciência, insistam.

terça-feira, agosto 30, 2005

Melhor que isso só beijo de mãe...


Teoria, ou não?

Perguntei a um amigo quarentão por que nunca havia casado. De imediato me respondeu porque as mulheres são inteligentes. Depois das risadinhas de praxe, me respondeu sério. Ele sempr despertou uma grande amizade de suas namoradas, compreensivo demais, companheiro demais, solidário demais, liberal demais, protetor demais.

Ué, perguntei, mas não é isso que as mulheres procuram nos homens? Ao que ele me respondeu: "Isso só pra fazer bonito pros outros. O que elas procuram mesmo é um homem com quem possam brigar a qualquer momento, sem ou por qualquer motivo, a qualquer momento, com ou sem razão."

Se sua teoria está ou não certa não me arrisco a dizer, mas tenho que admitir que é uma teoria bastante interessante, pelo menos pra minha ótica masculina.

Todas as mulheres suspiram por um Gianechini ou um Brad Pitt, no que não lhes tiro a razão. A diferença entre elas é que as mulheres de verdade satisfazem-se com homens de verdade, como o português da padaria, por exemplo, enquanto as fêmeas passam a vida à caça de um galã e reclamando da solidão.





A quem interessar possa: O Poetrando está atualizado.

segunda-feira, agosto 29, 2005

Errar é humano, eu é que não sou.



Dois pra lá, dois pra cá


Para quem ainda não teve a curiosidade de saber onde fica Eunápolis vou dizer porque é importante para a compreensão dessa historinha verídica.

Tá, sei que tal fato contado assim pode ser sem graça, mas ilustra bem o assistencialismo que marca as campanhas político-eleitorais no país.

Para quem tem um mínimo de conhecimento de geografia do Brasil, deve lembrar-se do mapa da Bahia. Sabe aquele rabinho do estado? É a região chamada sul-baiano, para alguns de nós, Estado de Santa Cruz. No início do rabinho, no norte, está Itabuna; no extremo sul, lá na fronteira com o Espírito Santo, está Medeiros Neto. Eunápolis fica no meio do rabo, praticamente eqüidistante das duas cidades.

Acho que vou me arrepender de ter chamado esse apêndice do estado de rabinho, mas agora é tarde.

Voltemos ao "causo".

Um velho político local, sem nenhuma chance de eleger-se para qualquer coisa, aceitou o convite para trabalhar no comitê de um candidato a prefeito. Sua função era comprar votos com passagens de ônibus, remédios, consultas médicas, bam-bam-bam-caixa-de-fósforos que todo mundo está careca de saber, menos a Justiça Eleitoral que é cabeluda, mas cega como meu terceiro olho.

Certo dia um eleitor procurou o velho político pedindo uma passagem para visitar o filho doente em Salvador. Em troca daria o voto dele, da mulher, dos sete filhos, genros e noras para o "doutor" candidato.

Solícito e já contando com os votos, o velho político, analfabeto como a maioria de seus pares, teve de desculpar-se, porém: "Óia, as passage pra Sarvadô num tem mais, não. Num serve pra Belo Hozonte?"

sábado, agosto 27, 2005

...nasceu burro, não aprendeu nada e esqueceu a metade.


A criatividade não tem preço, mas tem gente que sabe fazer dinheiro com ela.

Até bem poucos anos atrás os restaurantes self-service eram injustos. Quem comia pouco e quem repetia o prato várias vezes pagavam a mesma quantia, lembram disso? Era mais ou menos como se o Jô Soares e a Michele Pfeifer comessem até saciar-se e tivessem contas iguais. Os justos pagavam pelo comedores.

Aí apareceu um espertinho de Belo Horizonte e criou o self-service por quilo, ou a quilo, como popularizou-se. A partir daí o Jô Soares teria que desembolsar muito mais que a Michele Pfeifer. A idéia espalhou-se rapidamente pelo país e já chegou ao exterior, mas há de se tomar cuidado para não sair perdendo.

Por exemplo, evite pegar carne com osso, galinha com osso, a não ser que você adore uma galinha caipira com quiabo e não resista. Rabada deveria ser banida do cardápio em self-services. Os ossos pesam mais que a carne.

O mesmo inventor desse tipo de restaurante, empolgado, criou a pirâmide de pizza. Foi um fiasco, a idéia não colou. Não me perguntem que catzo é uma pirâmide de pizza que nãotenho a mínima idéia.

Pensando no self-service por quilo e quem usa o transporte coletivo urbano, me pergunto se não seria uma boa idéia se cobrar do passageiro apenas a quilometragem percorrida, como já fazem os táxis e ônibus intermunicipais. Por falar nisso, é justo o que você paga por uma passagem de avião de Belém a Fortaleza, por exemplo, quando, ao invés de ir direto do ponto A para o ponto B tem que fazer escalas em Brasília, São Paulo, Rio,... Como é que os caras calculam esses preços?

quinta-feira, agosto 25, 2005

"O demônio pode citar as Escrituras para justificar seus fins."

(Shakespeare).



Pensar dói

Artistas e intelectuais (uns destroem ou eternizam o que outros criaram, mas esse é outro papo) são seres diferenciados.
Se é estrangeiro, é bom.
O presidente da República é o mandatário da nação.
Se é louro(a), alto(a) e de olhos claros, é bonito(a).
O Sul é melhor que o Nordeste.
O Nordeste é melhor que o Sul.
Argentinos são uns malas e brasileiro é legal.

Não sei quem é pior, se quem cria essas máximas como verdade absoluta ou quem as repete como uma verdade divina.

Já dizia o Millôr, "livre pensar é só pensar", mas para a maioria dos humanos esse é um exercício muito doloroso, mais fácil copiar as verdades alheias, mesmo que isso contradiga todo seu modo de viver.

Poucos se dão ao direito de questionar o que engolem no dia a dia, contestar, então...

Aproveitando-se disso que, dia a dia, são-nos empurradas goela abaixo zilhões de coisinhas que muito bem poderiam passar em branco em nossas vidas. Não fariam falta a ninguém, desde idéias até descacador de batatas a laser, de governadores a presonal trainers eletrônicos, de Paulo Coelho a dança da bundinha e outros bondes malucos. A gente engole sem mastigar e ainda lambe os beiços depois de nos "deliciarmos" com tantas fezes.

quarta-feira, agosto 24, 2005

"Se Deus escreve certo por linhas tortas, alguém deveria Lhe dar um caderno de caligrafia"




Como é bom ser um alienado...

Há anos me prometo não me preocupar com o que está acontecendo nos bastidores de Brasília, se o dono da Bahia ainda está vivo (Deus não é justo!), se o BNDES está despejando minha e sua grana para sanar as dívidas da Globo, se Bush fez mais uma cagada no Oriente Médio ou em qualquer lugar onde tenha metido o bedelho, se Lula sabia ou não, se Severino pensa ou pensa que pensa ou não pensa, enfim, ser um porralouca sem qualquer outra preocupação que não com a sujeira no meu umbigo. Consegui.

Tudo bem que não foi exatamente por opção, mas que tá valendo, tá. Se está sendo bom ou não, não sei. Ainda não pude parar pra pensar. Deus Cronos está dando as cartas.

A vontade era de aproveitar o tempo antes gasto com a leitura de sacanagens jornalísticas fazendo sacanagens reais, mas, tirando eu, nada é perfeito. Minha alienação tem-se dado por conta do acúmulo de coisas pra fazer.

Aí você perguntaria: "se esse cara está tão sem tempo, como está postando todos os dias?". A resposta é múltipla e simples: primeiro, porque estou viciado nesse negócio de blog; segundo, porque tenho mudado a temática e está sendo um exercício legal. Crônicas como essa escrevem-se em cinco minutos quaisquer, depois é só chegar em casa e jogar no pc; terceiro, adoro seus comentários, mesmo que sejam de discordância ou malcriados, embora esses têm andado raros pelaqui, como diria Gonzaguinha.

terça-feira, agosto 23, 2005

Karina, sua dor é minha dor. Meu ombro está aqui caso precise dele. Sei o tamanho dessa dor e que nada pode aplacá-la. Só o tempo nos leva a aceitá-la. Fique sempre muito bem e tenha toda a força que puder retirar do fundo d'alma. Ainda tem muita gente que te ama e precisa de ti nesse momento.




Mano Rui, parabéns e tudo de bom hoje e todo o sempre.




Meu post hoje está na Gueixa. Passe lá.

segunda-feira, agosto 22, 2005

O problema da morte é que ela acaba com nossas vidas...


O Contra-Tempo


Tempo é uma questão de prioridade. Essa lição aprendi com um professor de português quando cursava a sétima séria.

Se você não está fazendo uma coisa ao invés de outra é porque a primeira lhe é mais importante. Isso teoricamente. Na prática, na maioria das vezes, fazemos primeiro o que nos é obrigado. Tudo bem, não deixa de ser importante. Pode ser que deesa coisa dependa nosso emprego, nossa aprovação, uma vitória em um campo qualquer.

Ultimamente me vejo na posição de priorizar o que me é necessário e não o que me é prazeroso. Tudo isso porque prazer só paga conta de dono de motel.

A vontade quando estou on-line é vosotar os blogs da minha lista e conhecer novos, responder e enviar e-mails, ler notícias, pesquisar coisas que me agradam nas mais diversas áreas e coisas que tais, mas o salário me obriga a ocupar boa parte do tempo nos deveres. É bom, mas tem seu lado ruim. Me aprimoro como profissional e deixo de ver quem prezo, por outro.

A compensação está nas horas em que posso conversar com aqueles amigos especiais, mesmo que seja apenas para dizer e ouvir um "oi".

domingo, agosto 21, 2005

Senhor Tempo

Ontem, sentado no restaurante enquanto esperava os amigos para a comemoração, fiquei observando as pessoas e me veio uma sensação estranha em relação ao tempo.

Na mesa ao lado da minha um jovem casal conversava com a filinha de uns três anos ao lado. Em outra mesa um senhor de uns sessenta nos com a esposa e uma jovem senhora, de uns trinta anos e um garotinho. Numa terceira mesa um outro senhor, um negro de uns cinqüenta anos com uma senhora bem mais nova e uma terceira criança, um garotinho lindo de uns sete anos.

De repente entra um cara enorme, passos rápidos e firmes, todo de negro, parecendo o Durango Kid. Um cifrão enorme, prateado, pendurado numa corrente que seria capaz de deter um pit bull furioso, uma argola grossa de ouro em uma das orelhas. Ao seu lado quatro rapazes, todos altos, mas não tanto quanto ele. O ladeavam como seguranças de celebridades. Sentaram-se na última mesa, bem lá no fundo, de frente pra porta. Ao entrar ele havia dado um abraço no dono do restaurante e falaram-se alguma coisa engraçada. Fiquei imaginando quem seria tal figura.

Tem a aparência estereotipada de um cantor de pagode ou de bicheiro. Pediu uma cerveja, fumou um cigarro e falava baixinho com seus camaradas. Ao acabarem a cerveja, levantaram-se e saíram do mesmo modo que entraram, passos firmes e rápidos.

Mas eu estava falando do tempo. Olhando todos esses personagens, como há muito não fazia, obsevando seus gestos. Os pais protetores, as mães alimentando seus filhos com firmeza e carinho, os casais discutindo coisinhas de seu dia-a-dia, as crianças alheias ao que acontecia a seuredor, sempre procurando algo com o que divertirem-se, fosse brincando com o copo de refrigerante, fosse soletrando as palavrinhas do cardápio, os garçons em seu esforço para serem simpáticos e prestativos... Me veio à mente como cada um deles havia sido um bebê, depois uma criança engraçadinha e curiosa como aquelas. Mais tarde adolescentes serelepes, com suas rebeldias, suas inseguranças, seus hormônios, suas irresponsabilidades... Aí chegaram a serem jovens adultos com as novas responsabilidades, os amores cridos definitivos, a vontade de uma nova família, as preocupações... Aí chegavam à idade daqueles senhores e senhoras mais maduros, zelosos com os seus, responsáveis, tentando cumprir bem suas missões.

Foi interessante olhar para os dois mais velhos e tentar vê-los na idade das crianças que os acompanhavam.

Deve ser algum efeito colateral de um aniversário.





Obrigado a todos pelo carinho e pelos votos. Será que conseguirei agradecer a cada um daqui e do Orkut? Vou tentar.

sexta-feira, agosto 19, 2005

Sempre se atraem...

- Nariz e dedo (ta, é nojento, mas todo mundo faz isso!)
- Mulher e vitrine
- Homem e cerveja
- Chifre e dupla sertaneja
- Carro de bebum e poste
- Tornozelo e pedal de bicicleta
- Leite fervendo e fogão limpinho
- Dedinho do pé e ponta de móveis
- Camisa branca e molho de tomate
- Tampa de creme dental e ralo de pia
- Café preto e a toalha branca da mesa
- Chave trancando a porta e telefone tocando
- PT e cagada... (não defendo partido algum, mas não sou fã do PT)

Postei aqui por que o Marcos tá com problemas no pc e já caiu na farra por conta de seu aniversário. E o tema do post eu copiei de algum lugar que não me lembro qual!

Karina

quinta-feira, agosto 18, 2005

Destino? Uma ova!


Temos mais que mania, necessidade, de encontrar razão para qualquer coisa que nos aconteça. Há quem apele para o fatalismo, astros, santos, pragas, encostos, destino, vodu... Eu prefiro cantar a "Vinheta" que Elis gravou no disco Ânima, do Milton Nascimento: "Se quieres ser feliz como me dices, no analises".

Se há uma razão sobrenatural pouco se me dá. Essas coisas são contadas como inexoráveis e, se realmente forem, não serei capaz de mudá-las. Não alimento problemas e me recuso, terminantemente, a deixar que Saturno ou Júpiter me digam o que devo fazer, vestir ou como me comportar.

Não vai ser meia dúzia de velas brancas em noite de lua cheia às margens de um riacho na roça do preto velho ou sete pulinhos nas ondas ou uma fitinha do Senhor do Bonfim que vai ditar meu dia-a-dia.

Nem inferno astral nem inferno de Dante, apenas a vida. Ela está aí, nos olhando nos olhos e a encaro de frente. Sei que no final ela sempre ganha, mas me recuso a entregar os pontos sem uma boa queda de braço.

terça-feira, agosto 16, 2005

A vida é ótima, mas a tratamos como merda

O excesso de vaidade e a ditadura da beleza, passando pela magreza como pré-requisito para a aceitação social são assuntos recorrentes nesse blog.

Quando vim para a Bahia ganhei uma família enorme. Uma mãe, um pai e onze novos irmãos. Por eles tenho um carinho enorme e a recíproca é verdadeira.

O que esses dois temas tem em comum? A tragédia.

Uma das minhas novas irmãs, casada, com uma filha inteligentee linda, com apenas onze anos, encontrava-se acima do peso. Não era nenhuma obesa, mas sentia a necessidade de ficar magrinha para ser mais querida.

Com a filha maiorzinha resolveu dedicar-se mais à própria vida. Pela primeira vez conseguiu um emprego, entrou para a faculdade de administração, aprendeu a dirigir, enfim, estava deixando de ser uma dona de cassa full-time e passara a investir em si mesma. A nova Alessiane sentia, porém, que só seria uma mulher realizada se fosse magrinha.

Passou a usar um remédio para emagrecer sem acompanhamento médico e às escondidas dos amigos e da família, como é muito comum entre aqueles que fazem uso desse expediente.

Na semana passada foi hospitalizada por conta das conseqüências de tal medicação. Depois de três dias hospitalizada, hoje de manhã recebeu alta. Seu marido foi pegá-la para irem para casa.

Na saída do hospital, já na rampa que a levaria para o carro, teve um mal súbito e morreu ali mesmo. Apenas 28 anos, bonita, com uma família maravilhosa, profissional dedicada e reconhecida, deixou-se levar pela ditadura da beleza.

Ainda estou em choque. Não caiu a ficha, mas daqui a pouco sei que vou chorar. Estou indo despedir-me de uma querida irmã e o coração já está doendo.

segunda-feira, agosto 15, 2005

"O cérebro é uma coisa maravilhosa. Todos deveriam ter um."
(Não sei quem disse, mas concordo)


Manias e Superstições

Há uma confusão entre mania e superstição. Difícil, às vezes, diferenciar uma da outra. Algumas superstições são levadas tão a sério que viram mania.

Não passar por baixo de escadas, por exemplo, é uma superstição universal. O que pouca gente se dá conta é que essa superstição surgiu do medo de que algo que se encontresobre a escada despenqu na cabeça do pedestre.

Entrar ou sair de casa com o pé direito é outra aplicada em todo o mundo e a explicação está no preconceito que se tinha contra os canhotos. Aliás, canhoto é um dos nomes dados ao capiroto, o diabo. Até bem pouco tempo era comum os pais obrigarem seus filhos canhestros (que também significa errado) a fazerem suas tarefas com a mão direita. Sem querer e sem saber estavam, indiretamente, ajudando o rebento a exercitar os dois hemisférios do cérebro. Existem teorias que por causa disso alguns gênios eram canhotos, como Leonardo da Vinci e Charles Chaplin.

Eu tenho algumas manias também, além de superstições, é claro.

Sempre calço o pé esquerdo primeiro. Quando vou comprar sapatos o vendedor sempre entrega o pé direito para eu provar e peço que me traga o esquerdo. Não há superstição, apenas mania. Se calço o esquerdo antes, me sinto desconfortável.

Minha cama, há anos, é posicionada na posição leste-oeste. Por que? Sei lá! Mania.

Além de ter abscissa e ordenada, minha cama está de um modo que eu coloque o pé direito no chão antes do esquerdo. Isso é superstição e ocorre até mesmo em hotéis ou na casa de um amigo que em esteja hospedado.

Não uso escovas de dentes vermelhas. Mania.

Gosto que borboletas pousem em mim. Superstição.

No dia 31 de dezembro coloco uma cédula de dinheiro sob a palmilha do sapato do pé direito que usarei à noite. Superstição.

No dia do meu aniversário não telefono pra ninguém. Mania.

Furo com o indicador o bolo de qualquer festa em que for. Nem mania e nem superstição, mas já virou folclore.

Não como qualquer vegetal cheio de sementes como figo e kiwi. Mamão e maracujá só depois de retirá-las. Nem mania, nem superstição, muito menos folclore. É frescura mesmo.

E agosto é o mês do cachorro doido. Crendice popular.

domingo, agosto 14, 2005

Dia dos pais

Heber, Luiz, Alberto, Júnior, Hilber, Rui, Márcio, Normando, Ronaldo, Waltinho, Cordeiro, Chicão, Ari, Wiliam, Zé Palito, Edvaldo, Everaldo, Wiliam II, Clemens, Jonilson, Marcos, Vinny, Ox, Josemar, Lula, Zelito, Reinaldo, Fernando, Daniel, Zé Luis, Augusto, Jair, Otávio, Tadeu, Bito, Bico, Gilvan, Paraiba, Edson, Pigatte, Adélio, Leo, Cleyton, Miguel, Miguelim e mais todos os pais do mundo, meu melhor muito obrigado em nome de seus filhos e em meu próprio.

Se seus filhos são o futuro da humanidade, esse futuro começa pelo que vocês os ensinam, pelos princípios que lhes incutem.

Um dia dos pais não é o dia dos pais. Não repudio a data como muitos dizem repudiar. É o dia para que os filhos reflitam sobre a importância de tê-los por perto. Para que valorizem um dos maiores segredos que podem ter.

O abraço, o carinho, os conselhos... Isso tudo se consegue na vida com facilidade, de um amigo, de um colega, até de um desconhecido, ligando para o CVV, papeando com qulaquer alma boa no MSN, mas quando vem do pai é mais verdadeiro, é da alma, é de quem nos ama de verdade.

Como meu pai não está mais por aqui para receber meu abraço, me contento em abraçar os pais alheios e é com todo o carinho e respeito.

Parabéns a todos.





Mais um parabéns. Do fundo da alma e com o maior carinho, um beijo e um abraço apertado para minha e-amiga Gueixa. Nesse e em todos os muitos outros aniversários que virão, paz, amor, saúde e toda a felicidade que seu coração puder agüentar. Esteja sempre muito bem.





O Poetrando está atualizado (quem diria?).

sexta-feira, agosto 12, 2005

Pode-se dizer a maior besteira, mas se for dita em latim muitos concordarão.
Stanislaw Ponte Preta



A oposição ao governo Lula resolveu apelar para o jogo sujo, capitaneada pelo calhorsíssimo ACM. O dono da Bahia propôs um salário mínimo de R$ 384,00 e, por baixo dos panos, com a ajuda do PSDB e seus paladinos da justiça e igualdade social, aprovaram a medida. A derrota do governo não se deu apenas na votação, mas, muito mais, nos seus desdobramentos. Num momento em que o risco país é o mais baixo da história, quando o dólar cai a cada dia, quando as exportações brasileiras batem récordes a cada mês, em que o desemprego de mão de obra pouco ou nada qualificada diminui, em que todo o mundo admira os rumos seguros que o Ministério da Fazenda vem dando à nossa mambembe economia, esses senhores, com a única intenção de atingir o presidente, uma vez que os escândalos do PT não conseguiram, agem contra toda a nação.

A economia está crescendo, é fato, mas não no mesmo ritmo que esse aumento que se propõe para o S.M..

O número de falências diminuiu, mas o faturamento das pequenas e médias empresas não cresceu nesses índices.

Mas, de que maneira o novo S.M. atinge o presidente da República? Simples, o presidente terá que vetá-lo. Um único real a mais de salário para cada funcionário, significa a necessidade de milhões de aumento nas arrecadações. Não sou contra um salário mínimo dessa magnitude, muito pelo contrário. Gostaria até que fosse do tamanho proposto pelo DIEESE, algo em torno de R$ 2.400,00. Mas também gostaria de ter uma cobertura na Praia do Futuro, uma fazenda às margens do Rio do Peixe, uma BMW e uma morena tarada de 1,70m me esperando todas as noites, mas não é assim que a banda toca.

A partir do momento que o presidente vetar o novo S.M., a oposição vai aparecer na tv e nos jornais, dizendo que o Lula mais uma vez traiu o povo, que está governando para os ricos e a velha ladainha de sempre.

Não estou defendendo a política de juros e impostos de Palocci e companhia, mas, sim, condenando essa prática suja já aplicada pelo próprio PT no passado, de que quanto pior, melhor. Melhor para a oposição, fique bem claro. Para nós, pobres otários pagadores de impostos, a coisa vai estar sempre pior. Se não sempre, pelo menos por um bom tempo.

quinta-feira, agosto 11, 2005

Máxima feminina: Não relaxe com sua saúde! Ao menor alarme, procure um médico. Se quebrar uma unha procure um ortopedista.

Máxima masculina: Só vá ao médico se for de maca. Não os procure, eles descobrem doenças.

terça-feira, agosto 09, 2005

Ladrão que rouba ladrão vai ficar sem mensalão.



Estava eu andando na rua há poucos minutos e na minha frente iam duas garotas de 16, 17 anos. Numa esquina três marmanjos conversavam escorados num poste. Quando as meninas passaram por eles soltaram suas indefectíveis gracinhas. O que ainda não falara nada, para não perder para os amigos, soltou essa:
- Seriam mais bonitas se fossem educadas.
Uma delas parou, voltou três passos e disparou:
- Não é questão de educação, mas de bom gosto.
E continuou seu caminho.
Se eu tivesse uma caixa de rojões estouraria-os na hora.




Há quem ainda acredite que, por não haverem leis específicas no Brasil contra crimes via internet, a impunidade está declarada. "Lêdo e Ivo" engano, como diria o Millôr. Hoje foram condenados um homem e uma mulher que desviaram mais de R$ 100 mil de incautos internautas depois de roubarem suas informações bancárias por meio de spywares. Ele pegou 11 anos e ela 9. Claro que ainda podem recorrer, afinal, para alguém ser condenado definitivamente por aqui, só se for ladrãozinho pé-de-chinelo. Além disso, perderão todos os bens adquiridos nos últimos dois anos, dentre eles uma BMW. Senhores mal intencionados, o crime via web pode até ser rentável, mas deixa mais rastros que os praticados pelos congressistas.




Por falar em congressistas, corre na Câmarados Deputados um projeto de lei que propõe o fim da cobrança de multas por alta velocidade à noite. As estatísticas devem ter mostrado ao autor desse projeto que só se morre no trânsito durante o dia. IMBECIL!




Mais uma dos legisladores. No Rio Grande do Norte um vereador propôs que seja distribuído Viagra gratuitamente para os impotentes. Deve estar legislando em causa própria. DESOCUPADO!




Colocaram pressão sobre o presidente da Câmara, Severino Cavalcante, e ele resolveu enviar para o Conselho de Ética o processo que propõe a cassação de Zé Dirceu. Depois das duas listas desfolhadas por Marcos Valério em seu depoimento de hoje, onde constam nomes de quase todos os partidos como beneficiários de saques em suas contas, já começo a achar que a melhor solução seria fazer novas eleições proporcionais imediatamente. Se fossem (o que não acredito que ocorra) afastados todos os congressistas corruptos, quem iria legislar nesse país?




Por falar em Marcos Valério, seu depoimento de hoje está sendo bem mais interessante do que o último. Ele hoje parece mais seguro no que fala, parece estar mentindo menos e mostra-se bem mais disposto a abrir pelo menos parte jogo sujo. Eu vejo o sujeito falar e fico imaginando quantos daqueles congressistas não estão ali olhando pra ele com o cu na mão, morrendo de medo que a qualquer momento seus nomes sejam declinados pelo depoente. Muita coisa vai ser mostrada nos jornais e revistas de amanhã a partir desse depoimento de hoje. Não percam as cenas do próximo capítulo dessa típica novela latinoamericana.




Como andam as coisas em Mantena?
Não é à toa que o consumo de pizza é recorde no Brasil
Tá nem aí, tá nem aí...

segunda-feira, agosto 08, 2005

Paleontólogo que se leva a sério casa com múmia.



Mano Heber, meus melhores parabéns! Infelizmente estou postando tarde, mas, independentemente da hora, meu desejo de que sempre seja muito feliz e com uma saúde up date é constante. Estejam todos muito bem aí em BH.




O Brasil tem a sexta maior reserva de urânio do mundo e está com um projeto de enriquecimento do minério a pleno vapor. Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, dentro de dez anos poderemos estar exportanto urânio enriquecido. Não sei até que ponto isso é bom, mas fiquei chateado em ver essa notícia ser divulgada bem no meio das datas em que se lembram os bombardeios de Hiroshima e Nagazaki. Mais uma demonstração da falta de tato daqueles que nos governam. Quanta insensibilidade...




Delúbio se afastou. E daí? O lixo e a lama do que produziu ainda estão aí. E fedendo!




Tem-se falado muito ultimamente nos novos parâmetros da matriz energética brasileira, assim como em todo o mundo. Não quero dar uma de profeta, mas acredito que em trinta anos serão formados consórcios privados para que moradores de uma certa micro-região produzam sua própria energia, seja ela heólica, solar, com bagaço de cana, o que for. Ninguém fala nisso ainda, alegam ser uma questão de segurança nacional e tal e coisa. Cascata! Não ficaria caro financiarem através do BNDES, BASA, BNB, BID ou qualquer um desses B, painéis solares para que os habitantes de um bairro, um condomínio, montassem sua própria central elétrica. O problema é que se a moda pega as multinacionais da área perderiam consumidores de alta monta. Mas, honestamente, não vejo um futuro muito diferente, não. Quem viver, depois me diga. Como? Basta rezar.




Cento e cinqüenta milhões? Cento e vinte milhões? Que porra de assalto foi esse ao Banco Central de Fortaleza? Se os bandidos forem burros investirão tudo em drogas e armamentos, mas se forem espertinhos ficarão na moita algum tempo e depois passam a investir em pequenos negócios Brasil afora, sem dar muito na vista e viverão como nababos em pequenas cidades do interior, criando seus filhos em boas escolas, garantindo seu futuro... Lógico que isso são devaneios. Quem bancou esse assalto tem interesses bem menos nobres do que resolver seus problemas financeiros. Foi-se o tempo em que se assaltava banco para pagar as dívidas e tirar o pé da lama.




A Corporação Andina para o Fomento divulga em relatório que a macro-economia latino-americana cresceu muito nas últimas três décadas, mas não o suficiente para melhorar o crescimento per capita do continente. O relatório afirma que o crescimento do cidadão está estagnado e teve um decréscimo em relação às décadas de 60 e 70.

Enquanto nossos países não investirem maciçamente na educação, e não falo dessa politiquinha de cotas, e no planejamento familiar, continuaremos nadando na própria merda e preparando meia dúzia de doutores para enriquecerem os países do norte ou se mudarem pra lá fugindo das péssimas condições daqui.
Nem o ceroulão do Super-Pateta...
Quem poderá nos salvar?
Diquinhas:
Divirta-se

Qual a velocidade do seu tapa?
Desafio chinês legalzinho.

domingo, agosto 07, 2005

"Mulher não sabe o que quer, só sabe que quer..."
(Não me batam, senhoras e senhoritas, quem falou isso foi o Ronaldo, eu apenas assinei embaixo)


Ciúme de pai

Não vou citar nomes por respeito a eles e por gostar do meu nariz do jeito que ele está.

Eram vários irmãos. Entre tantos, apenas uma garota. Quando um deles comenta isso costuma ouvir do interlocutor "coitada dela...". Mas não é bem assim. Ela foi tratada como uma princesa pelo pai e os irmãos a protegiam à distância, sem ciumeira. Ela estava sempre à vontade para ir e vir. Os meninos se espremiam nos quartos que sobravam depois que os pais escolhiam o seu e a menina escolhia o próprio.

Ela não precisava lavar as cuecas nem os pratos dos homens da casa. Eles foram educados, desde muito cedo, a cuidarem de suas próprias sujeiras. Não seriam as duas mulheres da casa suas escravas.

Os meninos disputavam a bola, os revólveres de espoleta que ainda se davam aos garotos, enquanto ela tinha suas próprias bonecas. Quando um deles, mais desprendido de machismo, resolvia brincar com as bonecas da irmã, era escorraçado pelos demais, vestido de vestidinho e obrigado a dar uma volta no quarteirão fantasiado de menininha.

Havia um irmão, porém, que se achava na obrigação de preservar as virtudes da moçoila de qualquer olhar aventureiro de marmanjos. Ciumento ao extremo, a vigiava até nas brincadeiras de roda que ainda aconteciam nas calçadas. Se algum rapazola caísse na besteira de elogiar a beleza, nem que fosse apenas do cachos da princesinha, corria o risco de sair com um olho roxo, caso o varão defensor soubesse.

O tempo passou e a princesa conheceu seu príncipe, que para o irmão zeloso era um sapo. Antes do casamento chamou o noivo e deu-lhe um sermão enorme, ensinou-lhe como deveria tratar sua irmã, que jamais a maltratasse ou agredisse. Que, se algum dia, o casamento desandasse, que sua irmã fosse trazida de volta para a casa dos pais de forma respeitosa e nunca enxotada de casa. O pai da prole deu-lhe apoio, mas coisas assim nunca aconteceram. Brasileiramente o casal passou pelos perrengues que os honestos enfrentam para manter uma família, tiveram dois filhos lindos e vivem felizes juntinhos até hoje.

O irmão ciumento também casou-se e também teve dois filhos, um casal. A menina, linda e inteligente, cresceu chamando a atenção dos garotos. A irmã do pai, feliz com sua família,teve folga dos ciúmes, que foram transferido para a filha. A maturidade, porém, ensinou-lhe a conversar e aconselhar e não mais reprimir, simplesmente. Isso não significa que o ciúme e o zelo diminuíram. Apenas foram domesticados.

Um dia a filha rendeu-se de vez ao amor. Era o definitivo amor, como assim pensam todos os adolescentes. Namoro firme. Vinte quatro horas por dia juntinhos se nada mais urgente houvesse a ser feito. Era uma flechada no coração do pai. Por meios brandos tentou acabar com o namoro, sugeriu à filha um distanciamento para que ela tivesse certeza do que realmente sentia, proibia os cinemas à noite, as festas sem companhia do irmão, admitia o namoro da sala de sua casa, assim poderia ficar de olho mais de perto. Enfim, fez de tudo o que pôde para dificultar o romance, sem, porém, partir para cima do rapaz. Era ciumento, mas não era louco. O genro é professor de musculação da academia do bairro.

sábado, agosto 06, 2005

Minha religião é o livre pensar.



Ganhar nenê

Essa semana minha amiga Suanny deu è luz uma menina. Quando me deram a notícia deisseram que ela havia "ganhado" nenê. Já falei disso aqui antes, mas ainda não me acostumei com essa expressão. A acho muito engraçada.

Como é que se ganha nenê? Já vi gente raptar bebê, roubar bebê, adotar bebê, mas ganhar...

Como se ganha uma criança? Na rifa, na loteria, em "ação entre amigos"?

Tudo bem que a maioria das pessoas deseja ter filhos e quando os gera os recebem como um presente divino. Talvez seja essa a origem da expressão "ganhar bebê", mas que me soa esquisito, lá isso soa.

- Vou ali na esquina ganhar um bebê no par ou ímpar.

- Papai disse que se eu me comportar no Natal ele me dá um bebê de presente. (Isso pareceu incestuoso, credo!)

- Compre um berço e ganhe um bebê.

- Você quer ganhar um bebê? Inscreva-se no Bolsa Bebê do governo federal.

- Ai, que romântico. O Joãozinho deu um bebê de presente à Mariazinha em suas bodas de prata.

Ainda prefiro os populares parir, piar ou o politicamente correto dar à luz.

Essa última, aliás, costuma ser escrita sem sem a crase o que faz supor que quando o bebê nasce a mãe lhe dá de presente uma lanterna, uma vela, um candeeiro. A mãe deu a luz de presente à criança.

Parabéns à Suanny, mesmo sabendo que a criança foi produto de faltade controle do casal quando as pernas bambearam.

quinta-feira, agosto 04, 2005

Hoje "seu" Chico, meu único, querido, adorado pai, estaria completando 71 anos. Eita, saudade que não acaba!

quarta-feira, agosto 03, 2005

>- Sai da frente! Carne de burro não é transparente!
- Nem anta tem visão de raio-X!


Hoje o post é dirigido. O professor de Português pediu que os alunos da oitava série fizessem uma crônica sobre um de seus professores. Depois de receberem suas redações corrigidas alguns pupilos que escreveram a meu respeito me mostraram como me viam. Lógico que são fantasias e a maior parte das narrativas são fictícias, mas me diverti muito. Pra quem quiser me conhecer melhor:

Da Jainara:
"Um professor louco! Mas legal.

Um professor chamado Marcos Pontes é um admirador meu. Ele é uma pessoa chata, irritante, pirracenta, mas não tem jeito, todos gostam dele.

Ele não dá aula como os outros professores (tirando o ... e o ...) que dão aulas chatas quando todos dormem, babam e não aprendem nada.

O Marcos é igual a uma criança, mas odeia choro e grito de criança. Em quase todas suas aulas ele joga apagador, giz, cinto nos alunos (logico que não acerta nem dói).

Um dia, na 7ª série, ele estava explicando um assunto e uma colega minha começou a rir sem parar. O Marcos disse:

- Você vai sair da sala...

E ela:

- Não, Marcos, por favor. He, he, he, he, he, he!

- Menos um ponto!

- Não, prof... he, he, he!

E ele disse:

- Vai beber água. E menos outro ponto!

Quando ela voltou pra sala não agüentou e passou a rir sem parar, então todos os alunos começaram a rir e, conseqüentemente, o professor caiu na gargalhada."

Da Atanaeli:
Tio Barriga

Eu gosto muito de todos os professores da minha escola, mas, em especial, do professor de Matemática por sua forma de ser, pensar, ensinar e cuidar dos alunos. Ele é muito importante, alegre e idiota. A cada dia descubro mais uma de suas qualidades.

Seus únicos problemas são o cigarro e a barriga que a cada dia aumenta mais. Seu vício faz com que sua saúde fique mais fraca a cada dia.

Ele tem uma forma de ensinar muito moderna, tem um ponto de vista ótimo que nos faz querer aprender. Todo professor deveria ter um pouco de sua experiência.

Ele é muito besta! Tem uma mania de querer jogar apagador em mim.

Sem dúvida Marcos é um excelente professor e que dá o máximo de si para que seus alunos tenham sucesso na vida."

Do Danilo:
"Ai meu boné

Certo dia meu colega Wilson chegou na escola com um boné, dizendo que havia custado R$ 150,00. Ele ficou mostrando-o para todos. Na mesma hora o professor Marcos entrou na sala, deu bom dia, e num só movimento pegou o boné de Wilson. Meu colega ainda tentou revidar, mas já era tarde... Marcos já estava com seu boné.

Marcos foi pra casa com o boné de Wilson, com o pensamento de devolvê-lo no dia seguinte, mas, quando ele menos esperava, um garoto de rua pegou o boné e saiu correndo.

No outro dia Marcos contou pra Wilson o que tinha acontecido. Quando terminou a aula Wilson foi para casa e viu seu boné com o garoto e então resolveu reavê-lo. O menino, que era maior que Wilson, bateu tão forte nele que ele nunca mais usou boné.


Do Matheus:
Marcão

Um dia desses, estava na minha aula de Matemática quando o ilustre professor Marcos nos cortou no meio de uma piada.Um horror! Justo ele, Marcão-que-conta-piadão, estragava os nossos prazeres e nos deixava sem graça alguma. Protestos Gerais (com G maiúsculo. Até um indivíduo que estava passando no corredor reclamou). Marcão se irrita e aplica um testículo. Resultados? Horríveis! E o pior, tudo por uma piadinha.

Cansados de sermos oprimidos e impedidos de nos divertir às custas dele, decidimos fazer uma enquete:

- Qual seria uma boa forma de nos vingar dele?

Parece que alguém propôs uma ótima forma: apelidando-o. Mas como? Bem, já que ele estraga "nosso prazer": Marcão-estraga-prazeres. Mas que esse não rimou (conseqüentemente não vingou), criamos a melhor rima da zoação, o indefectível:

MARCÃO-ESTRAGA-TESÃO!


Da Amanda:
"O Professor E Sua Importância

Assisti a um filme que me fez pensar em mim e nas pessoas que estão ao meu redor: "Sociedade Dos Poetas Mortos", é um filme incrível! E retrata a convivência entre alunos e professores. Existem vários tipos de professores. Cada um com suas características físicas e pessoais. Alguns se preocupam conosco, enquanto outros... Nem vamos falar.

Um professor de quem gosto bastante é o Marcos Pontes. Admiro-o muito. Ele é brincalhão e nas suas aulas nós estudamos e sempre nos divertimos. Gosto bastante de suas aulas. Apesar de não ser boa em sua matéria. Não sou muito fã de Matemática. Mas nos divertimos com o Marcos."

Por fim, da fantasiosa Bruna:
A História de Marcos

Todo mundo conhece o professor Marcos de Matemática. Ninguém sabe, porém, de sua história, que é a seguinte:

Marcos nasceu de uma família muito tradicional, com todas as regalias possíveis que uma boa família poder vir a dar. Assim viveu até os dez anos, porque foi nessa idade que sua mãe descobriu a PESTE que tinha em casa e que ninguém agüentava mais aquilo. Então seu pai resolveu mandá-lo para um internato lá na Amazônia para que ele pudesse ter bons estudos e uma boa educação. Marcos até se opôs a ir, mas não houve jeito. Foi mandado pra lá e por lá ficou esquecido por 9 anos, estudando e tendo boa educação.

Depois de sair do internato ele tornou-se uma pessoa, por incrível que pareça, muito inteligente. E resolveu dar aulas de Matemática e Física. Aí esse professor passou a ser conhecido como "Marquitos do Bole-bole" ou "Marquinhos das Candongas"

Marcos até hoje é uma PESTE. Ninguém nunca viu coisa igual. Mas temos notícias que seus alunos estão fazendo uma prece ao Santo Pai para ver se Ele cura o coitado do professor, já que os macacos não deram jeito. Enquanto isso não acontece ele dá suas aulas e tem, novamente, uma vida normal.


Para vocês pode não ser, mas pra mim é divertidíssimo.

terça-feira, agosto 02, 2005

Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta.
(Paulo Brossard)


O festival de cabeças cortadas continua nas esferas próximas ao poder central. Dessa vez foi o presidente do Partido Liberal, o mesmo partido do vice-presidente José Alencar, Valdemar Costa Neto. Ao contrário do que ocorre no Japão, onde os políticos flagrados em atos de corrupção ou arrependidos, vão a público pedir desculpas à população e assumir suas culpas e ao contrário do que aconteceu hoje na Argentina, onde três senadores foram condenados pela Justiça por terem comprado votos, a renúncia de Costa Neto do seu mandato de deputado federal foi apenas uma maneira de se livrar de uma possível cassação e, conseqüentemente, da perda de seus direitos políticos por até 8 anos.

Esse mecanismo já foi utilizado há pouco tempo pelos senadores Antônio Carlos Magalhães, do PFL-BA e Não Sei Quê Lá Arruda, do DF. Isso confirma aquela minha afirmativa de alguns dias atrás de que os maiores beneficiados por essas leizinhas são os próprios políticos corruptos e safados. Por isso eles não mudarão tais leis tão cedo. Não lhes interessa isso. Ao contrário de ser um ato de coragem é um ato de COVARDES! SAFADOS, CORRUPTOS, LADRÕES E COVARDES!

No Partido dos Trabalhadores o presidente Tarso Genro disse que vai pedir explicações a 15 parlamentares envolvidos com as contas de Marcos Valério. Enfim alguém começou a mexer-se e exigir desses senhores esclarecimentos. A população, mormente sua parte que votou neles, espera que se essas explicações não forem convincentes e abonadas por provas cabais, eles sejam excluídos do PT, sejam cassados antes de renunciarem e excluídos da vida pública.

Acontece, porém, dentro do partido, um movimento de cinco parlamentares, entre eles o ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha, e o ex-líder do PT na Câmara, Professor Luisinho, na intenção de renunciarem em bloco. Se fizerem isso estarão assumindo uma culpa indubitável. Mas o líder atual, Arlindo Chinaglia, já disse que isso não está ocorrendo. Esperemos. Honestamente, não quero que renunciem, mas que deixem seus futuros serem decididos pelos julgamentos como homens e esperem suas penas, se for o caso, no exercício de seus mandatos. Basta um covarde nesse momento.

Aí vem o presidente do PSDB e admite que o partido fez uso de "caixa 2" nas campanhas eleitorais. Isso também não foi nenhum arroubo de coragem e hombridade, mas apenas a admissão de uma culpa que todos estamos carecas de saber que é prática nas campanhas de todos os partidos e de todos os políticos. Tentam dar uma de bons moços, mas comigo não cola.

Nesse momento estou assistindo ao depoimento do deputado José Dirceu no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Como esse depoimento deve chegar a altas horas da noite, prefiro falar a respeito amanhã. Mas uma coisa me chamou atenção até o momento. O deputado Roberto Jefferson passou a tentar implicar o presidente Lula na tramóia toda. Isso me surpreendeu. Até o momento ele estava poupando Lula, de repente, ao mesmo tempo em que os políticos do PFL e do PSDB resolvem atacar diretamente o presidente, Jefferson muda seu discurso. Ninguém me tira da cabeça que esse calhorda está a serviço de alguém e essa mudança de rumo parece me dar razão.

segunda-feira, agosto 01, 2005

Viver sem amigos é como tentar tirar leite de um urso para o café da manhã. Dá muito trabalho e não vale a pena.

(Zora Neale Hurston)




Engraçado como idéias mal organizadas nos tarem na hora de realizar-mo-las. O post de ontem surgiu justamente por causa dos diversos nomes do "chopp" a que o Selph se referiu em seu comentário. Na hora de escrever o texto, porém, passei batido. O refresquinho congelado já foi visto por mim com os nomes de geladinho, sacolé, chupe-chupe, dim-dim, juju, jujubinha e dadá. Pelo menos esses são os nomes que me recordo no momento, mas o conteúdo é, quase sempre, o mesmo: um refresquinho de Q-Suco com água de torneira e mais açúcar que sabor.




Vem greve por aí. Preparem-se! Os bancários estão pedindo um reajuste de 11,77% nos salários, além de participação nos lucros e resultados. Como sempre o movimento deve começar nos estatais Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Quem tiver um colchão grande, sugiro que comece a colocar uns trocadinhos nele para não serem pegos desprevenidos. Tomara que eu esteja errado, mas o passado me dá razão.




Dois projetos muito controversos estão circulando na Câmara dos Deputados. Um é do já sabido Estatuto do Desarmamento. Amanhã começarão a circular as propagandas. Vou votar pelo "sim", mas continuo achando bem mais urgente e importante o aparelhamento, treinamento e deslocamento das polícias federal e civis dos estados de fronteira, além de operações das forças armadas e dos agentes aduaneiros para coibirem a entrada de armamentos ilegalmente no país, além de penas mais duras para quem cometer crime utilizando-se de armas de fogo.

O segundo projeto é sobre o aborto. Esse, sim, precisa ser amplamente discutido por todos os setores da sociedade. Quando o divórcio foi aprovado, as correntes religiosas mais conservadoras se ouriçaram todas e previram até o fim das famílias. Coisas dos profetas do apocalipse que habitam sob nossos tetos... Quanto ao aborto as duas correntes mais acirradas prometem ser a científica e a religiosa. Mulheres, comprem essa briga! Manifestem-se! Afinal de contas, as primeiras a serem atingidas serão vocês mesmas. Confesso que ainda não tenho opinião formada sobre a matéria. Vejo prós e contras, mas ainda está cedo para tomar uma posição definitiva.
Tudo como dantes no quartel de Abrantes
Não seria bem mais honesto se agissem assim?
Diquinha:
Uma idéia simples bem realizada.
Filminho bem feito.