Pesquisar neste blog e nos da lista

quinta-feira, janeiro 13, 2011

A Desgraça Anunciada

encostas

Daqui a duas semanas, dia 27 de janeiro, o governador Sérgio Cabral estará comemorando 48 anos de idade. Há alguns dias o governador fluminense está em Paris, segundo a agenda oficial. Muito chic passar o aniversário em Paris, qualquer sujeito com o mínimo de bom gosto gostaria disso. Para alguns, melhor ainda seria se a festa fosse bancada por um amigo ou pela viúva companheira, não que este seja o caso do governador do Rio, homem de posses, dono de fortuna pessoal que não lhe permitiria tirar férias tão caras às custas do erário.

Vamos retificar. O governador Sérgio Cabral encontrava-se de férias em Paris, mas já encontra-se no Brasil, pelo menos isso. Solidariedade às vítimas da tragédia na Serra de Itaipava será demonstrada com ar de pesar e palavras de consolo devidamente decoradas. Nenhuma novidade até aí, uma vez que, há pelo menos 30 anos, o governador do Rio, seja quem for, em janeiro é obrigado a vir às televisões e jornais, face lúgubre, dizer-se pesaroso com os males das chuvas e enchentes que vitimaram pessoas, destruíram família, desabrigaram cidadãos e coisas que tais. Falo em 30 anos que é o quanto minha memória pode me levar, recordando de desgraça igual ocorrida em 1981.

Ao contrário da mentalidade paulista, a dos governadores do Rio não levam a obras e medidas eficazes para evitar que a tragédia se repita no verão seguinte.

Ano passado houve uma enchente terrível no Jardim Romano, as águas não baixavam, por semanas as pessoas passavam sobre tábuas pelas ruas fétidas. Este ano a chuvarada repetiu-se, pessoas morreram, regiões paulistanas foram alagadas, mas o Jardim Romano, símbolo da desgraça de 2010, já não ficou submerso. Em um ano a prefeitura construiu um piscinão que deu conta do problema, minimizando os males que as chuvas poderiam repetir naquele quinhão de terra bandeirante. Já no Rio...

Dom Pedro II, um sujeito inteligente, brasileiro que amava o Brasil, estudioso dos problemas nacionais, tanto que locomoveu-se de Norte a Sul, conhecendo o continente que administrava, em carruagens, trens, navios e lombo de burro, já havia proibido a construção nas encostas da Serra de Itaipava. Há 200 anos o imperador já sabia dos perigos de se desmatar as encostas, de construir na ribanceira com fundações rasas. Seu decreto, provavelmente, salvou muitas vidas durante os anos em que tal lei foi respeitada.

Veio a República e tudo o que era legal na época da monarquia passou a ser démodé nos novos tempos. Em nome da tal égalité, fraternité et liberté, criamos uma democracia burra, liberdade de mais, se é que possa existir excesso de liberdade. Defino, pois, “liberdade de mais” como a liberdade sem responsabilidade, o tipo de liberdade que coloca as vontades pessoais acima das vontades coletivas. O caso, por exemplo, do cidadão achar que pode construir pendurado no morro sem importar-se que seu ato pode levar perigo aos que moram abaixo de sua construção.

A culpa maior dessa tragédia que se repete anualmente não é só do cidadão que constrói sem alvará em áreas de risco, mas, principalmente, dos órgãos públicos que não fiscalizam, mostrando-se eficientes somente depois que as mortes são computadas às dezenas. Se o governador Cabral, já indo para seu quinto anos de mandato, ou todos os que o antecederam, tomassem medidas sérias, proibitivas, fiscalizatórias, punitivas e inibidoras, muitas vidas teriam sido poupadas, mas, infelizmente, após cessarem as águas, já podemos nos preparar para as mesmas manchetes no verão de 2012. Espero estar errado, mas os últimos 200 anos não me fazem pensar assim, infelizmente.

 

©Marcos Pontes

7 comentários:

Velvet Poison disse...

Estamos convoncando todo mundo que se sente solidário - e todos nós nos sentimos - a nos indignar também. Assim como o Esculacho e Simpatia faz. Temos que gritar mesmo. Investimentos governamentais, só em propaganda. Muito!

Coloquei, no post Brasileiro Cordial, do Veneno Veludo de hoje, o link para esse post aqui. Vamos fazer nossa trilha de indignação pela web.

Velvet Poison disse...

Escrevi "convoncando"... pressa. Desculpe, gente!

Sérgio Freitas disse...

Tudo "grana". Ganância, corrupção. Desonestidade.

Anônimo disse...

Parabéns. Na mosca!

Beatriz disse...

Em nome da tal égalité, fraternité et liberté, criamos uma democracia burra.

Pois é, Marcos...essa idéia de revolução nunca deu certo.

Sabia que para manter a República brasileira - dessa ditadura mascarada - gastamos 5 vezes mais do que os ingleses para manter sua Rainha e todos os castelos e corte?

Prefiro Dom Pedro II que tinha verdadeiro amor ao Brasil. Que nasceu e foi educado para governar seu país. Ao contrário dessa corja de comunas materialistas que só acreditam na vida aqui. então, salve-se quem puder porque o que eles querem é prazer e poder

Maria Amora disse...

Indignação, revolta e muita tristeza pelas famílias.
O parisiense n se preocupou em usar a verba que tinha, estava em París como sempre encharcando a cara. Mas essas vítimas estarão nas costas dele p sempre.

TonMoura disse...

é, é uma desgraça anunciada. mas, era isso que os eleitores do populismo queriam, afinal, os políticos populistas, quando ainda andam à pé (e os que estão em início de carreira andando à pé ou dirigindo uno mille) fazem movimentos para pessoas construirem casasm em áreas de risco, não só encostas, como em leitos de rios, como acontece muito na amazônia e no nordeste. E o povo, que sabe muito bem o que pe ser gado de manobra, só torce pra não ser a sua vez de bancar o boi de piranha. Infelizmente os políticos paulistas não são tão previdentes assim, embora medidas tenham sido tomadas, as enchentes do Tietê ainda causam muitos transtornos na avenida marginal mais conhecida do país, aliás, conhecida justamente por causa das notícias dos alagamentos, porque não tem nada ali pra se ver.
Me incomoda também que o Cabral e a Dilma estiveram lá, não para prometer reconstruir as casas, mas para anunciar a liberação mais cedo do bolsa família e outros benefícios sociais. Bush demorou à beça pra ir a Nova Orleans, mas liberou verbas e financiamentos a fundo perdido para recostruir a cidade e região, não somente o dique e as obras públicas. Os empresários, mesmo contrários políticamente a ele, também abriram os bolsos e reconstruíram não só o patrimônio, mas o orgulho dos cidadãos locais.
Aqui no ceará já começou a chover e a prefeita de Fortaleza, para melhorar sua imagem de apenas 4% de aceitação popular, está apenas consertando os estagos das primeiras chuvas e agendando shows.
Velvet chamou pra gritarmos mais, está aí o meu. Se alguém quiser edigir um manifesto, assino.