Pesquisar neste blog e nos da lista

quinta-feira, junho 18, 2009

Me demito do Brasil!

AUTO_claudio

Cláudio, Agora São Paulo, SP

  • Quando eu era estudante, minha mãe morria de medo das minhas posições esquerdistas, pior ainda porque meu pai era militar do Exército. Se eu fosse pego em alguma manifestação, ficaria mal para toda a família. Ontem a Dona Chica mostrou que estou me tornando um direitista ferrenho. Concluí que isso se deve à esquerda burra que está tomando conta do Brasil e das Américas. Ou alguém vê algum traço direitista em Obama?

 

  • A moda agora é ver alguns bobinhos que leem sabe-se lá o quê, apoiando a reeleição de Ahmadinejad no Irã, pegando carona na torcida do Lula. Não vai ser nenhuma surpresa se o beócio-mor vier a pública dar total apoio aos testes nucleares da Coréia do Norte.

 

  • A alegação de que o presidente iraniano foi reeleito democraticamente seria válida se: 1. Não houvesse a denúncia de eleições fraudadas; 2. A ordem do aiatolá Khamenei de recontagem de parte dos votos não fosse apenas parte de uma encenação para a opinião pública; 3. Os juízes responsáveis pela recontagem, segundo denúncias de jornais e do candidato derrotado, não fossem comprometidos com o governo; 3. Não estivesse ocorrendo censura nas telecomunicações, imprensa, e internet; 4. Jornais não tivessem sido fechados e jornalistas estrangeiros expulsos; 5. O candidato concorrente não tivesse sido preso; 6. Sete manifestantes opositores não tivessem sido assassinados; Enfim, há um canavial de evidências por parte do próprio Ahmadinejad de que houve treta nas votações. Mas os miquinhos que não lêem jornais, apenas assistem às manchetes do Jornal Nacional, batem palmas para o ditador porque Lula mandou aplaudir. A claque acéfala segue o líder.

 

  • Aliás, o governo de Chávez é democrático? Sua reeleição foi limpa? Por que ele não permitiu a presença de fiscais internacionais? O Brasil jogou fora o pragmatismo da política externa e adotou a perigosa e burra posição de que o que é ruim para os Estados Unidos é bom pra gente. Isso é parte da mentalidade bolivariana de El Loco, Marolinha, Cocalero, Lugo Prolífico, La Múmia e El Bonitón del Andes. Eles ainda não perceberam que quem governa os EE.UU. hoje pode não ser rubro, mas é bem rosadinho. E a claque vibra!

 

  • Para a nova esquerda brasileira, alguns sintomas estão começando a ficar claros para mim: 1. As lideranças perceberam que as bases são sectárias e desinformadas, acatam tudo o que O Partido diz (particularizei o PT, que fique bem claro, mas serve para os menores também); 2. Há um forte viés stalinista-maoísta nas lideranças; 3. A aparência e os hábitos dos bichos-grilos vermelhinhos continuam os mesmos, piorados com a volta à moda das roupas indianas, graças às novelas globais que eles, os bichos-grilos vermelhinhos, dizem abominar e não assistir; 4. Boca-de-forno-forno-tirando-bolo-bolo-farei-tudo-o-que-o-mestre-mandar, cantam em coro os cabos eleitorais, os beneficiados com cargos, verbas, salários e vendas das fiscalizações estatais, além dos beneficiados com bolsas sociais e outros favores, os sindicalistas da República dos Sindicatos que substituiu a utopia da Ditadura do Proletariado; 4. Lula não governa o país de fato. Ele é presidente para a patuléia que fica sob seu eterno palanque e para ministrozinhos como Minc, Jobim ou Múcio. Quando as decisões são mais sérias no campo da economia ou da política de bastidores, os presidentes de fato são Zé Dirceu, Greenhalgh, Mangabeira Unger, Palocci e alguns outros poucos, Lula entra apenas com seu carisma e seus 80% de populismo aprovado, inclusive por empresários da Avenida Paulista que estão enchendo as burras com os juros, a especulação e a desinformação geral.

 

  • Estamos sem saída, nas mãos de uma pequena oposição que se acovarda diante dos 80% de popularidade de Lula e os 70% de aprovação do governo. Esses índices, aliás, são reflexo da falta de informações reais para a população. Os jornais já não escrevem notícias, apenas reproduzem os releases mandados pelas agências de notícias, pelas casas civis dos governos e pelas assessorias de imprensa de empresas e autoridades. Não existem os jornalistas fuçadores e isso se tornou mais sério com a ampliação de mais de 2000% dos veículos de comunicação de massa que reproduzem propagandas do governo. A imprensa está refém das verbas publicitárias oficiais e os políticos de oposição não têm peito de encarar população desinformada e imprensa conivente.

 

  • Estamos presos nas mãos dos Sarneys, Lulas, Dirceus, Mangabeiras, Cabrais, Marinhos, Edires Macedos, Calheiros, Mercadantes, Gabriellis, Wagneres, Mendeses, Jobins, Aécios, Cardosos… E mais uma corja que só pensa, se pensa, em resolver os problemas do país depois de resolverem os seus, de suas famílias, dos amigos, dos compadres, dos parentes, dos lobistas, dos bancos, dos traficantes… Não necessariamente nessa ordem.

 

©Marcos Pontes

8 comentários:

Vanessa disse...

O ditador Sila disse a Cícero uma ocasião que as pessoas mudam de atitude conforme sua posição no jogo da vida. Isso em Roma lá pra 50 a. C.
Maquiavel advertiu seu príncipe do mesmo. Quem sou eu pra achar que algo irá mudar. Ditadores alternam-se no poder desde que o mundo é mundo, e normalmente começam a vida como oposição ao regime.

Excelente postagem, tá chic esse blog.

Abraço

Fábio Mayer disse...

Esse tipo de política externa cretina soa bonitinho até o dia em que um maluco como Chaves, Ahmadinejad ou aquele imbecil coreano resolverem matar uns milhares de pessoas... daí os esquerdofrênicos brasileiros ficam de cara vermelha, mas para não dar o braço a torcer, dirão que é culpa dos EUA do mesmo jeito!

Frodo Balseiro disse...

Marcos, tem aquela lei da Física que diz : "A toda ação corresponde uma reação, igual em módulo e em sentido contrário".
Acho que esse princípio se aplica a outras áreas do conhecimento humano.
Como você, as vezes pensava estar partindo para posições conservadoras.
Descobri, que era apenas uma movimentação "igual em módulo e em sentido contrário" à radicalização dos setores de esquerda, que querem implantar no país um modelo autoritário, contrário à liberdade e à democracia.
Esse movimento, à direita, é plenamente justificável quando se analisa o que tem acontecido no país, tanto na política interna, quanto na absurda política externa.
Todo jovem, idealista, já caiu na conversa mole da esquerda que se diz "humanista", mas é na verdade golpista, e tem como propósito final implantar o pensamento único, o aparelhamento, a destruição dos oponentes que pensam diferente.
Muito bom seu post!
abs

tony disse...

e nós vamos votar em quem no ano que vem? aos condescentendes que figem revolta mas na verdade só é um chadinho pela emagrecida na teta, ou vamos educar as proximas gerações para serem uma maioria consciente, menos omissa?

As vezes nem existe direita ou esquerda. Só ficamos do contra, naturalmente, rs... já percebeu que a imprensa quer mais o terceiro mandato do que o proprio governo?

no mais, é a boa e velha omissão, o nivelamento pra baixo, a eterna paulada nas exceções, positivas ou não. Abraços!

Neto disse...

Pelo começo:
Lula defende Sarney dizendo pensar na instituição do Senado - e quer ele queira ou quer não, é isto que ele deve fazer pois qualquer um no lugar dele o faria. A crise do Senado não é nova. Há décadas e décadas o Senado e a Câmara são antros da mais alta corrupção e nem parece que vai mudar (tenho saudades dos caras-pintadas da era collor!). No caso de Lula, e sem querer defendê-lo, sei que presidentes dos tres poderes, pessoalmente, podem até nunca gostarem uns dos outros mas em público, sempre irão falar bem.

As eleções no Irã mostraram uma coisa absurda. Como todos aqui devem saber, quando uma eleição é feita por meio de cédulas numa urna, demora, no mínimo, em torno de até 15 dias para se saber o resultado. Lá, em poucas horas, eles deram a vitória a Ahmadinejad. Se não houve fraude ou conluio, eu não sei mais o que significa fraude, então!...

Como você disse antes, Lula não é presidente do Brasil, é o presidente da patuléia. No entanto, os números falam a favor dele. Ele pegou uma coisa 'pronta' do governo anterior e a melhorou, como poucos fizeram. É inegável esta acerto para uma pessoa que já se sabe, subiu à presidência sob suspeita - não era escolado. Como eu me atenho mais aos fatos e as realizações, torço para que o Brasil dê certo e torço para que o presidente (seja ele quem for) faça um bom governo. O que preocupa, entretanto, nem é tanto esse fator 'anestesia' que Lula emana no povo a ponto de alguns perderem o senso crítico, é o fato de termos uma instituição parada como Congresso. Antro das mais importante decisões para a sociedade brasileira. Do ponto de vista pessoal e dos argumentos, eu sou pé no chão.

A coisa que percebo nessa politicada é que parece já não existir mais esquerda ou direita (virou um debate inútil), e que o congresso parece realmente ter perdido sua essência e credibilidade como representação do povo. O que é bem triste.

Conceição Duarte disse...

Marcos, que legal, você passou por lá!
Muito obrigada.

Estou mesmo indignada com o processo todo da democracia... Dizem alguns entendidos que esssa lama toda faz parte do aprendizado e que o Brasil é novo, precisa passar por todo esse momento - até amadurecer... (?????????????) te confesso que não consigo ver nada disso com bons olhos.

Qto ao povo e a popularidade do povo... qto mais ignorante forem, melhor para os iguais que por lá estão...Duro é a gente ter que ouvir essa gentalha...
ENfim ando cheia!
Um beijo CON

Ery Roberto Correa disse...

Marcos, excelente blog. Congratulo-me com este espaço diferenciado e inteligente.

Sobre Lula nem vou escrever sobre ideologia porque parece que hoje em dia seu sentido arrepia. Fica mais fácil pra todo mundo, principalmente para a patuléia, concordar com o sentido tosco da "metamorfose ambulante" autopropagada. Só que esta coisa eu vejo diferente. Ele mudou - para pior, claro - e na contradição efetiva do que diz hoje, em relação ao que combatia antes, o que em última análise foi o que sensibilizou o eleitor a elegê-lo na primeira vez, confirma, de todas as maneiras, o caráter fisiológico do político brasileiro. Uma fisiologia que também já precisa ser atualizada, pelo menos em seu sentido etimológico, agregando-lhe exclusivamente a adjetivação da malandragem.

A análise do Neto é respeitável. Sobretudo no diz respeito ao "fenômeno" de uma contagem de votos através de cédulas em tempo mínimo como aconteceu no Irã. Acrescentaria apenas que, à vista desta visível implosão tanto da esquerda como da direita, vive-se o desconforto de um centro que não sabe mais para onde vai. É trágico. E os poderes cheiram a lixo.

Marcos, grato pela visita. Honrada, tenho que dizer.
Abraço.

Ery Roberto Correa disse...

ET: passei a seguí-lo e vou linkar seu blog.